Exercícios de alto impacto podem contribuir para aumentar a longevidade e a qualidade de vida



Medicina preventiva

Dra. Claudia Klein


Artigo: 4 Minutos de Exercício Intenso e Longevidade

Sabe-se que é consideravelmente improvável que homens e mulheres ativos, que se exercitam regularmente de qualquer maneira, morram prematuramente. Mas, segundo estudos recentes, se algum desses exercícios for intenso, o risco de mortalidade precoce diminui ainda mais e a qualidade de vida das pessoas aumenta!

Um grupo de cientistas de exercícios da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia em Trondheim, com colegas de outras instituições, estudou os impactos de vários tipos de exercícios nas doenças cardíacas e no condicionamento físico e percebeu que o próximo passo óbvio era olhar para a longevidade.

Os pesquisadores resolveram, então, desenvolver um longo estudo para discutir o impacto do exercício físico na expectativa de vida. Inscreveram voluntários (homens e mulheres septuagenários) em ensaios clínicos randomizados de longo prazo, com algumas pessoas se exercitando, enquanto outras se exercitam de maneira diferente ou nem um pouco. Os pesquisadores então teriam que acompanhar todas essas pessoas por anos, até que um número suficientemente grande morresse para permitir comparações estatísticas dos grupos.

Após cinco anos, os pesquisadores verificaram os registros de óbitos e descobriram que cerca de 4,6% de todos os voluntários originais faleceram durante o estudo, um número menor do que na população norueguesa mais ampla de 70 anos, indicando que essas pessoas mais velhas ativas estavam, no geral, vivendo mais do que outros de sua idade.

Mas eles também encontraram diferenças interessantes entre os grupos. Os homens e mulheres no grupo de intervalos de alta intensidade tinham cerca de 2% menos probabilidade de morrer do que os do grupo de controle, e 3% menos probabilidade de morrer do que qualquer um no grupo de exercícios moderados mais longos. As pessoas do grupo moderado tinham, de fato, mais probabilidade de morrer do que as pessoas do grupo de controle.

Em essência, diz Dorthe Stensvold, pesquisador da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia que liderou o novo estudo, o treinamento intenso - que fazia parte das rotinas dos grupos de controle e intervalo - forneceu proteção ligeiramente melhor contra morte prematura do que apenas exercícios moderados.

O Dr. Stensvold acredita que a mensagem do estudo pode ser amplamente aplicável a quase todos nós. “Devemos tentar incluir alguns exercícios de alta intensidade. Os intervalos são seguros e viáveis ​​para a maioria das pessoas. E adicionar vida aos anos, não apenas anos à vida, é um aspecto importante do envelhecimento saudável e da maior aptidão física e qualidade de vida relacionada à saúde do H.I.I.T. (*) neste estudo é uma descoberta importante.”

(*) H.I.I.T.: Treino Intervalado de Alta Intensidade

Fonte:

https://www.nytimes.com/2020/12/23/well/move/high-intensity-exercise-workouts.html?referringSource=articleShare

Claudia Klein é médica neurologista, graduada pela Faculdade de Medicina do ABC, com residência em Neurologia e Clínica Médica na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, e pós-graduada em Ciências da Longevidade Humana pelo grupo Longevidade Saudável. Faz atendimento clínico e é palestrante nas áreas de neurociência e meditação.


2 visualizações0 comentário