Flexibilidade, novos conhecimentos e criação de uma rotina no novo universo do trabalho





ENTREVISTA: GISELE VENTURA ESSOUDRY, PSICÓLOGA

ZENTA: Com a volta gradual à "normalidade", muitos ajustes estão sendo necessários. O trabalho em home office, por exemplo, exigiu de todos uma adaptação. Que dicas você dá para evitar a ansiedade e a confusão entre a vida pessoal e profissional nesse modelo de atuação?


GISELE VENTURA ESSOUDRY: Posso dar algumas dicas:

  • Vestir-se toda manhã como se fosse sair para trabalhar tem um efeito psicológico importante. Passar o dia com “roupa de ficar em casa” ou se vestir com desleixo contribui para uma sensação de que você não está trabalhando, ou de pouca importância para a sua atividade. Sem dizer que estar alinhada é bom para a autoestima, independentemente se está em casa;

  • Ainda que você não tenha um local próprio para o trabalho, estabeleça um espaço em que você possa ter privacidade, entre em acordo com os familiares. O senso de dar valor e importância a sua atividade profissional começa dentro de você;

  • Tenha uma rotina. Faça alguma atividade física, ainda que seja dar voltas no quarteirão, ou alongamento. O que importa é se mexer. A energia precisa circular;

  • Cuide da alimentação. Não ceda à tentação de comer alimentos que prejudicam a sua saúde pelo fato de estar em casa.


Z.: O que você falaria para as pessoas que ainda estão presas a títulos e a cargos? Como aceitar as mudanças que podem surgir daqui para frente?


G.V.E.: O mundo do trabalho mudou radicalmente em um curto espaço de tempo.

O que importa é a sua contribuição para o mundo dentro do que você sabe e gosta de fazer e, assim, gerar receita.

Muitas pessoas estão mais felizes e até ganhando melhor seguindo esse princípio.


Z.: Como se preparar para o novo cenário do mercado de trabalho? Como lidar com frustrações diante de demissões, restrições de horários e mudança de cargos nesse momento de transição? Como manter o equilíbrio e não se desestruturar?


G.V.E.: Vamos listar algumas orientações:

  • Busque o autoconhecimento, utilize seus talentos, habilidades, adquira novos conhecimentos;

  • Abra-se para a tecnologia. Independentemente da sua idade, entenda que você tem capacidade de aprender;

  • Invista em desenvolver “soft skills”, que são habilidades comportamentais, como liderança, comunicação, negociação, empreendedorismo;

  • Leia bons livros, assista TED TALKS (*), busque cursos que façam sentido para você. Sempre é tempo de aprender e se desenvolver;

  • Lembrando que liderança não é só para quem vai liderar, mas também para liderar a si mesmo, seus projetos, suas emoções.

(*) - Conferências sobre diversos assuntos, muitas com transcrição em português - https://www.ted.com/


Z.: Flexibilidade é algo que pode ser aprendido? Existem exercícios que podem ajudar nesse sentido?


G.V.E.: Sem dúvida, pode ser aprendido sim. Começa com compreender a necessidade de se abrir para o novo.

A rigidez de pensamento vem do medo, da ansiedade e de crenças arraigadas do tipo: “sempre foi assim”. Permita-se pensar mais: “porque não fazer dessa forma?” ou “o que de mal pode acontecer se...”. Se faça questionamentos como esses.


Gisele Ventura Essoudry é psicóloga (CRP 06118/106), especialista em Saúde Mental pela Unifesp e orientadora de Carreira.


2 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo