Entrevista - Dra. Elisa Chalem, psicóloga e Doutora em Ciências pela Unifesp

 

Zenta: O que a psicologia diz a respeito dos sonhos? Existe uma certa simbologia dentro daqueles sonhos que parecem se repetir para muitas pessoas? Por exemplo, sonhar com água, com dente, etc.

 

Elisa Chalem: Minha prática de atendimento clínico tem como pano de fundo a terapia breve de base psicanalítica e algumas teorias da neurolinguística. Sendo assim, vou tentar explicar como considero os sonhos.


Sonho é sempre uma manifestação do nosso inconsciente. Isto é, cada sonho tem um significado específico para a pessoa que sonha. Mesmo que duas ou mais pessoas sonhem com um mesmo tema, para cada uma terá um significado., de acordo com suas experiências de vida.

 

Z.: Sonhos são manifestações de desejos e ansiedades mais profundos?

 

E.C.: No meu dia a dia da clínica, costumo explicar para os pacientes que o sonho é um instrumento muito útil para a psicoterapia. E utilizo a seguinte metáfora: os nossos medos, desejos, ansiedades ficam em uma sala (o inconsciente) de um castelo (o consciente), guardados por guardas que os mantêm presos e não os deixam sair por nada. Quando dormimos, esses guardas relaxam e acabam deixando alguns saírem. No entanto, eles conseguem passar, mas de forma disfarçada e resumida. Precisam, então, ser decodificados e interpretados para fazerem algum sentido.

 

Assim, os sonhos são uma grande oportunidade para termos acesso a determinados conteúdos inconscientes, que normalmente estão reprimidos, e que se traduzem em medo e ansiedade.

 

Z.: Nessa época de pandemia como ficam os sonhos das pessoas e como poderíamos interpretá- los?

 

E.C.: Em determinadas situações de estresse, como esse período da pandemia que estamos passando, é comum nos sentirmos tensos, angustiados, bombardeados por muita informação e sem termos perspectivas de mudanças. Mas, depois de alguns momentos de relaxamento consciente, conseguimos descansar, adormecer e conseguir que os “nossos guardas mentais” também relaxem e deixem alguns conteúdos aparecerem nos nossos sonhos. Conseguimos, assim, descobrir novas possibilidades de enfrentamento para as crises que estamos passando.

 

Z.: As coisas q as pessoas sonham nesse momento de isolamento podem ser coisas q elas querem fazer, como ir a uma festa, ao cabeleireiro, à escola? 

 

E.C.: Vale a pena ressaltar também que existe um tipo de sonho, chamado de resolutivo. Isto é, quando estamos muito preocupados com alguma situação, como, por exemplo, com um exame a ser feito, sonhamos que já fizemos e que foi tudo bem. E aí, ao acordarmos, temos um certo alívio e nos sentimos fortalecidos para enfrentar a realidade. E talvez, pudéssemos incluir aqui os desejos que temporariamente não estão podendo ser realizados, como ir ao cabeleireiro neste momento de isolamento social. Aí, sonhar que já fomos poderia diminuir a angústia da incerteza de quando vamos realmente poder ir ao tão desejado cabelereiro....

 

Z.: Qual é a relação entre sonho e qualidade do sono?

 

E.C.: Segundo a neurologia, os sonhos ocorrem na fase REM do sono. Esta fase é caracterizada pela intensa atividade cerebral, muito semelhante ao estado de vigília. Embora a fase REM do sono não resulte em um descanso profundo, ela é importante para a nossa recuperação emocional.

 

Elisa Chalem é psicóloga Clínica e Hospitalar, graduada pela USP em 1978 e Doutora em Ciências pela UNIFESP em 2018

Psicologia - Sonhos
Dra. Elisa Chalem fala sobre sonhos em tempos de pandemia e isolamento social
  • LinkedIn ícone social
  • Facebook
  • Instagram