Quarentena e a falta de vitamina D



O novo coronavírus faz com que tenhamos de lavar as mãos com uma frequência muito maior do que a normal, além de usar álcool gel. Essa questão leva ao problema do ressecamento excessivo.

Outra preocupação presente em todos os que conseguem ficar em casa, seguindo as recomendações médicas de isolamento social, é a deficiência de vitamina D. Para saber como lidar com esses problemas, acompanhe a entrevista exclusiva do dermatologista Beni Grinblat para o Portal Zenta.


ZENTA: Quais cuidados podemos ter para combater o ressecamento excessivo da pele?

DR. BENI GRINBLAT: Lavagem das mãos, uso de álcool em gel.... tudo favorece o ressecamento das mãos. Então devemos usar e abusar dos hidratantes. É fundamental escolher um potente, que pode conter uréia, ceramidas, certas manteigas e, no caso das mãos, dar preferência a produtos específicos para elas. Sabonete, em geral, não ajuda na questão da hidratação, então a orientação é tentar experimentar para achar um que "desidrate" menos a sua pele. No banho, as dicas são não usar muito sabonete e evitar água muito quente, o que também resseca a pele.

Z.: Muitas mulheres têm grande preocupação em manter unhas e cabelos arrumados e pintados, prática distante da maioria, no momento. É possível encontrar algo positivo nesse cenário, em termos médicos?

B.G.: Já que muitos não têm saído de casa e estamos todos sem eventos sociais, a recomendação é aproveitar para dar um “descanso” para as unhas e os cabelos. Então, passar um tempo sem pintar as unhas, sem fazer escova, acaba diminuindo a agressão à pele causada por muitos desses produtos e procedimentos.

Z.: E a vitamina D? Essa menor exposição ao sol é motivo de muitas dúvidas.

B.G.: Bem, todos sabem que a radiação ultravioleta é importante para a síntese de vitamina D. Mas isso não significa que devemos sair de casa e ficar “lagartixando” ao sol. Nada disso! Permanecer de cinco a dez minutos por dia de exposição ao sol em pequenas áreas do corpo já é suficiente para a síntese da vitamina D. E indivíduos que têm deficiência de vitamina D devem consultar seu médico para ver se precisam fazer suplementação oral da vitamina. Lembramos que, em virtude da pandemia, está autorizada a telemedicina, o que pode ajudar em muitos casos com orientações remotas de médicos especialistas.

Z.: Ficando em casa, estamos liberados de usar o filtro solar?

B.G.: Nossa orientação é que o uso seja mantido. Além da higiene e da hidratação, a fotoproteção é importante. Isso por dois motivos principais: pela relevância de manter o hábito e porque a luz emanada por celulares e computadores, por menor que seja, vai fazer um pouco de mal para a pele se a pessoa já tem uma tendência à pigmentação. Explicando: em tese, esses aparelhos emitem uma radiação, principalmente de luz azul, que podem piorar a pigmentação. Ou seja, quem tem manchas, melasma, poderia piorar com essas lâmpadas. Na prática, os trabalhos mostram que precisaria de uma radiação muito, muito grande para realmente causar um melasma importante.

Dr. Beni Grinblat é médico dermatologista do Hospital Israelita Albert Einstein é colaborador do Ambulatório de Terapia Fotodinâmica do Hospital das Clínicas da USP.


5 visualizações
  • LinkedIn ícone social
  • Facebook
  • Instagram